“O ILUSTRADOR DO AMANHÔ (não resisti)

ilustrador_doamanhã-01

Semana passada eu fui assistir Ghost in the Shell (A Vigilante do Amanhã). E já admito: só vi alguns trechos do animé e não me lembro direito. Então fui neutra, sem qualquer expectativa. Como ilustradora eu poderia falar sobre os personagens do filme: Major, a Gueixa, Batou (que amei) ou dos concepts de cair o queixo criados por Maciej KuciaraMas como eu já imaginava, a história roubou a cena. E talvez pelo fato dos temas serem tão universais, essa obra prima criada por Shirow há 20 anos (mãe Diná fellings), também dá pano pra manga para nós ilustradores.

Hoje mesmo respondi um email de uma moça que me contou o quanto estava desanimada com a área, que tinha passado por maus bocados, mas que sentia que aquilo era o que ela queria fazer. Ouvi um podcast de criação que dizia sobre formas de encontrar sua própria voz na ilustração. Numa palestra sobre zen budismo, a frase “existe algo dentro de nós que procura” ficou na minha cabeça. Assisti um vídeo lindo essa semana, de senhoras falando sobre se preocupar mais em ser do que em fazer. Não é coincidência. 

Entre tantos temas, o filme fala sobre a busca da própria identidade e eu desconfio seriamente que na ilustração quem se sente realizado e feliz na profissão é o cara que está disposto a essa procura. Não é a tablet, não é o software. Mas o que está no nosso DNA e taí algo que nunca poderá ser manipulado. Quando você entende isso, o teu trabalho muda e você vai conseguir se manter na lida. E se a gente se propõe a essa busca, é certo que nem tudo será o sol do Teletubbies. E aí eu chego num outro ponto crucial para o ilustrador: enfrentar suas falhas e os tropeços pelo caminho. Você está correndo com vontade e dá uma topada estratosférica no dedinho do pé. Você não tava esperando, vê estrelas. Tudo bem, o dedinho do pé tem uma força inacreditável. Xingou? Chorou? Beleza, continua. Esses são os seus “glitches”. No filme ele são definidos como “falhas” do sistema, mas é isso que impulsiona a Major a continuar em frente. Vou te dar uns minutos pra pensar na beleza desse pensamento…sério.

O que eu noto é que existe um movimento grande de ilustradores temerosos. E eu não digo isso olhando a distância, mas com propriedade. Tirando o Demolidor, todo mundo tem medo de alguma coisa – mas tem que ver o quanto isso está te atrapalhando. O medo de ser rejeitado está nos top 5, concorda? Medo de mirar em objetivos grandiosos também está ali, no topo da lista. E esse último não envolve necessariamente um job pra Disney, mas desenhar um personagem novo todo dia, sem o objetivo de validação nas redes sociais, mas de ter o prazer de ver sua própria evolução acontecendo ali na sua frente, em tempo real. O quão grandioso é isso?

A real é que a gente não se encontra como ilustrador, porque tem a mania de esconder os erros, de varrê-los sem dó pra debaixo do tapete. Afinal, crescemos numa sociedade que enaltece o acerto, a vitória. Ninguém dá uma medalha de “parabéns, você se arriscou”. Mas como ilustradores (e importante frisar, seres humanos), não podemos encarar isso como uma verdade. Se você não conseguiu desenhar aquela mão do jeito que imaginou, não a coloque no bolso. Isso é trapaça, com você mesmo. Rabisque até conseguir. Desenhe 50 vezes se precisar. Preciso te falar que trabalhar com ilustração é isso – tem que ser casca grossa. Nunca desistir, entender o que te impulsiona, correr atrás e sempre que der, se jogar inteiramente nisso e curtir a jornada. 

ghost-in-the-shell-first-five-minutes-0

Você sabe o que tem que fazer. Close your eyes and jump, baby. 

Clau Souza

Ilustradora há 10 anos e está a frente do Estúdio, Lojinha e Cursos Criativos da Borogodó. Durante a sua caminhada pela estrada de tijolos amarelos da ilustração já teve a felicidade de estar em grandes publicações da área, como Lürzer's Archive, Zupi e Computer Arts. Desconfia seriamente de pessoas que não gostam de cores e tem pavor de palhaços (mas já teve que desenhar alguns).

More Posts - Website

Outros posts que você vai gostar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *